Logotipo do Dia da Música

Supervão e Dunas estão entre as 44 atrações da região sul

Jazz, hip hop, eletrônica, música experimental e muito rock - os sete palcos apoiados nesta terceira edição do Dia da Música reafirmam a força da música independente em Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul.

Em Curitiba, o tradicional 92graus - com 25 anos de atividade - traz oito shows no dia 24 de junho, em que o rock mostra diferentes facetas. Lá, o dia começa com os riffs da FAL 762; segue com o electro-bass-rock sujo e debochado do duo The Tump! e com Romann, novo projeto solo do músico curitibano Ângelo Neto. A programação segue com o noise de Eraserhead, do interior paulista, e de Naftalanja, que incorpora a viola caipira ao pós-rock. O punk da Rabo de Galo, na estrada desde 2008, abre caminho para o pós-punk do HERZEGOVINA, que tem em sua formação Rafael Crespo (ex-Polara e Planet Hemp), Mario Mamede (ex-Moptop), e Marcello Fernandes (ex-Rockted). A noite termina com o punk rock psicodélico do Vulgar Gods.

Também na capital paranaense, o espaço de resistência cultural Coletivo Atlas sedia cinco apresentações de música experimental, começando pelo projeto-solo de Katherine Finn Zander, katze, que junta voz, guitarra e baixo a beats eletrônicos. A tarde segue com o instrumental contemplativo da banda Dunas, na ativa desde 2011, com o dream-pop etéreo da banda feminina CORA e com o grupo e/ou, que faz uma leitura experimental da MPB e outros gêneros. Para fechar, o Veenstra apresenta suas paisagens sonoras psicodélicas.

O Sítio Brustoloni coloca Florianópolis no circuito do Dia da Música com três shows. Às 21h, a cariocas Psilocibina faz jus ao nome - referência ao princípio ativo de cogumelos alucinógenos - levando o público a viajar com improvisações e experimentações eletrônicas. A seguir, o duo catarinense Muñoz, formado por guitarra e bateria, mostra seu blues-rock cru e enérgico. Para completar a noite, o doom metal do duo curitibano Cassandra.

Em Porto Alegre, o Dia da Música será celebrado no palco Agulha. Grudento e sofisticado, o rock do Baby Budas é a primeira das dez apresentações do local. O dia segue com o samba delicado da mineira Luiza Brina (percussionista da banda Graveola e o Lixo Polifônico) e com os cantores e compositores João Gabriel Lehmann e Poty Burch. Às 20h, sobe ao palco o gaúcho Ian Ramil, autor do premiado Derivacivilização. A atração seguinte é um músico consagrado mostrando seu trabalho solo: Diego Poloni, do Apanhador Só, entre outros projetos. Responsável por um dos melhores discos do ano passado, Negro Leo mostra como a música pode escrever reto por linhas tortas. A programação só acaba na madrugada, com revelações locais Nacional Riviera e Supervão.

Em Esteio, o festival Rock na Praça, com 15 anos, se junta novamente ao Dia da Música com cinco shows. Além das guitarras pesadas das bandas INKOGNITA, Face Civil, Place To Die e Overdose de Fumaça, a Praça Padre Felipe recebe a cantora e poetisa Miriam Smile, que tem blues e MPB entre suas influências.

O clima em Torres, litoral do Rio Grande do Sul, é outro. O Auditório da SAPT recebe, a partir das 20h, o jazz instrumental do grupo KIAI e na sequência YANGOS mostra a mistura de influências latino-americanas num show que conecta o tradicional e o contemporâneo.

Já em Pelotas, o evento multiartístico e itinerante Piquenique Cultural realiza 13 shows em nove horas de programação. O cantor Klock abre o evento com voz e violão, seguido pelo rock das bandas Sombra de Marte e Nottus. O violão percussivo de Andrea Perrone faz um passeio pela MPB, blues e música folclórica. Depois disso, o Parque Dom Antônio Zattera recebe o hip hop do Dunas Rap e do Guetown - o gênero também está no repertório do grupo Freak Brotherz, que atua em movimentos sociais e culturais do Rio Grande do Sul, e do Mauscacos. O rock aparece com as bandas Elvis e os Capangas, Face da Noite e 4PLUS. Para encerrar a maratona, o performático (e polêmico) Bruxa de Sade traz seu show sombrio e denso.

Circuito não apoiado

A artista Karine da Cunha abre o seu espaço KaLi - Yoga. Meditação e Terapias em Canoas, Rio Grande do Sul, para a apresentação de mantras inspirados na música indiana, produzidos por artistas locais e criados para elevar a consciência guiando práticas de meditação e Yoga.

×

Baixe o aplicativo do DDM

Com o aplicativo do evento fica mais fácil de acompanhar os shows próximos a você.

Dúvidas/FAQ